Reflexões sobre a expectativa de vida dos policiais militares da Paraíba

Compartilhe!

        
      O pecúlio é um tipo de serviço que a Caixa Beneficente presta aos familiares dos seus associados por ocasião do falecimento destes.  É uma espécie de seguro de vida cujo valor é proporcional às mensalidades pagas pelos sócios. O valor atual desse benefício é de R$ R$ 5.700,00.  No decorrer de 2014 faleceram sessenta e oito sócios da Caixa, do serviço ativo e na inatividade, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, o que acarretou no pagamento de pecúlios no valor de aproximadamente R$ 400.000,00.   Esse é um benefício que chega aos familiares dos falecidos em um momento de grande pesar e, não raro, muitas dificuldades materiais.
      Nessas ocasiões a Caixa também disponibiliza túmulos rotativos nos Cemitérios da Boa Sentença e Parque dos Ipês, em João Pessoa, e no Morada da Paz, em Campina Grande.
      Parafraseando o grande tribuno Alcides Carneiro, poderíamos dizer que esses são benefícios que por infelicidade se procura, mas que por felicidade se encontra.
    A relação desses óbitos, fornecida pela Secretaria da Caixa Beneficente, que controla a concessão desses benefícios, oferece elementos ensejadores de uma análise que pode parecer sinistra, mas que pode provocar reflexões. Vejamos, pois.
     A quantidade de falecidos, embora pareça elevada em termos absolutos, representa apenas 1,13%  do total de associados.    Saliente-se, entretanto, que, como os dados aqui expostos são relativos aos policiais militares cujas famílias foram beneficiadas com o pecúlio no decorrer de 2014, eles são referentes apenas aos que são sócios da Caixa.   Cerca de 50% dos policiais militares, ativos e inativos, não são sócios dessa instituição, ou seja, é possível que em 2014 tenham falecidos aproximadamente 120 policiais militares entre ativos e inativos.
     Analisando os dados sobre a idade desses falecidos chegamos a algumas curiosidades e conclusões que nos parecem surpreendentes. 
    Dos companheiros, quinze tinham mais oitenta anos, o que representa 22% do total. Desses, três tinham oitenta e nove anos. Esse pessoal passou para a reserva, em média, com cinquenta anos de idade, ou seja, passou mais de trinta anos nessa situação.
     Ocorreram dezessete mortes de associados com idades entre setenta e um e oitenta anos, o que equivale a 25% do total. Assim, verifica-se que os que faleceram com mais de setenta anos (Setenta e um a oitenta e nove) totalizam trinta e dois, o que é igual a 47% do total. Ou seja, quase metade desse pessoal ultrapassou os setenta anos.
      Curiosamente, dos que tinham idades entre sessenta e um e setenta anos, faleceram apenas quatro sócios, ou seja, 5,8% do total. Esse dado parece sugerir que essa é a faixa etária de menor risco de vida no universo considerado, embora não se possa perder de vista que se trata de dados relativos apenas a um ano, o que pode representar uma mera coincidência tendo em vista a falta de elementos que possam explicar esse fenômeno.    
       Mas, um dado que surpreendeu foi o registro de trinta e dois mortos com idade inferior a sessenta anos, ou seja, 47,2% do total.  Portanto, quase metade dos falecidos não ultrapassou a sexta década de existência. Entre esses, treze tinham menos de cinquenta anos, o que equivale a 19% do total. E aqui outra curiosidade.  A quantidade de pessoas que faleceram com mais de oitenta anos é praticamente igual à dos que não chegaram aos cinquenta.
continua na página 2

Compartilhe!

Posts Relacionados:


Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notificação de
avatar